BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

sábado, 26 de dezembro de 2009

2010 - Ano da Imperatriz!

Queridos Amigos,


Partilho convosco um mail que recebi da Isabel, o qual desde já agradeço!

"2010, ano de Imperatriz. As luzes dos enfeites de Natal já anunciam a virada do ano aqui em São Lourenço, sul de Minas. Parecem já querer iluminar o caminho do ano que está por nascer: 2010, um ano para dar a luz, onde o que estava se desenvolvendo em segredo vem à tona, se mostra, se revela e se faz anunciar pela Imperatriz, o arcano 3 do Tarot.A Imperatriz é a mulher diante do mundo do poder. 2010 é um ano da mulher, um ano do feminino, é um ano onde a mãe Terra irá dar a luz a novas realidades e percepções para seus filhos, nós. No Tarot Mitológico a Imperatriz está representada por Deméter, a Deusa da Terra e a Terra como Deusa, Gaia. Assim a Imperatriz é uma representação da Divindade em seu aspecto feminino e também uma representação do próprio planeta, que é o corpo da Deusa-Mãe. Interessante, a Terra é o terceiro planeta em relação ao Sol dentro de nosso sistema. Grávida, Ela, nossa Terra, esse planeta azul cheio de vida, quer parir uma nova humanidade.
Em termos do Tarot podemos traçar uma correlação com a vibração de Iemanjá, mãe dos Orixás, Senhora das Águas do Mar. Na Astrologia teremos como regente o planeta Vênus, que reforça a vibração feminina. Mas na verdade a Imperatriz é a própria consciência feminina manifesta, assim ela representa diversos arquétipos, diversas formas do Sagrado Feminino. Em termos de Orixás também temos que incluir Oxum e Iansã.É bom lembrar que toda a vibração é polarizada, cabe a nós utilizar o aspecto positivo da energia para gerarmos beleza, harmonia, criatividade, inspiração, amor, arte e comunicação verdadeira, atributos próprios da Imperatriz. Assim é bom dizer que no Tarot não existem cartas boas ou ruins, existem padrões de energia simbolizados pelas cartas que possuem tanto o pólo negativo quanto o positivo.
Coincidência para alguns, sincronicidade para outros, temos também em 2010, ano eleitoral aqui no Brasil, três mulheres candidatas a Presidência da República: Dilma Roussef, Marina Silva e Heloísa Helena. Três manifestações da Imperatriz. Mas o que isso representa?Representa a força atuante da mulher em nossa sociedade e a oportunidade dessa força se expressar com maior poder. Ainda mais se considerarmos que a maioria dos votantes são mulheres. No Chile, na Alemanha e na Argentina já temos mulheres no poder.Naturalmente que a presença da mulher no poder por si só não altera a rigidez da estrutura política (lembram-se da Margareth Thacther, a dama de ferro?), mas tem um efeito simbólico interessante e pode representar uma flexibilização, uma maior sensibilidade nas questões institucionais.Em todos os setores da sociedade a mulher se faz mais presente, seja liderando e sustentando a família, seja participando mais ativamente nos assuntos relativos ao auto-conhecimento, à psicologia, ao esoterismo e ao questionamento do papel da mulher e do homem na sociedade atual. 2010 representará uma presença maior ainda da mulher em todas as esferas da sociedade, e mais ainda da própria consciência feminina.É interessante darmos uma olhada no que aconteceu no mundo no último ano de Imperatriz que tivemos, pois podemos identificar padrões que tendem a se repetir.Vamos fazer um mergulho bem profundo aqui com o arcano da Imperatriz, não vamos ficar apenas na parte rasa, vamos fundo e vou aproveitar para linkar certos assuntos a vídeos esclarecedores que existem pela internet. Meu intento é usar através desse texto todos os recursos de mídia para demonstrar o que é a Imperatriz. Imperatriz também é mídia, é comunicação. Respirem, respirem fundo e vamos! Os mares da Imperatriz são profundos e transcendem nossas noções de bem e mal.
O último ano de Imperatriz que tivemos foi 2001, marcado na história da humanidade pelo atentado de 11 de setembro que destruiu as torres gêmeas do World Trade Center, nos EUA. Um evento aparentemente mais para o arcano 16 ou para Torre (segundo os íntimos) do que para Imperatriz, mas que deixou tantas dúvidas e tantos questionamentos que geraram documentários como Zeitgeist.
Zeitgeist é um documentário lançado em 2007, especialmente para a internet e que você nunca verá na tv aberta, que, dentre outras coisas, questiona de forma inteligente, didática, polêmica e instigante a versão oficial sobre o atentado. Recentemente, o ator Charlie Sheen veio a público, exatamente em 11 de setembro de 2009, em nome das famílias dos que morreram no WTC, pedir a reabertura das investigações, pois estas deixaram muito a desejar. Zeitgeist e a fala questionadora de Sheen são exemplos da Imperatriz em ação, questionando de forma inteligente, através da mídia e da fala a estrutura de poder. O que se pode esperar em 2010 é um aumento desses questionamentos e novas revelações sobre os segredos dos podres poderes desse mundo, e, quem sabe, de outros.Hoje, a própria mídia é um poder, o chamado 4º poder, talvez seja ela, a mídia, o poder por excelência no mundo atual, pois o poder de informar é o poder de modelar as nossas mentes numa determinada visão da realidade. Jornalistas e publicitários bem o sabem.Mas em 2001 um outro evento muito importante aconteceu. Não foi veiculado na "grande" mídia e acabou por ser abafado pelo acontecimento de 11 de setembro no WTC. Esse evento foi um projeto de comunicação, organizado por 400 pessoas (militares de alta patente, cientistas, ex-espiões, ex-agentes da CIA, controladores de vôo, astronautas, etc) que ocuparam posições relevantes dentro do governo dos EUA. O nome desse projeto é “Desacobertamento” ou Disclosure Project. Não me surpreenderia se você também nunca tivesse lido nada sobre o assunto. Disclosure Project pode ser chamado de Projeto Revelação. E marcou o ano de 2001, um ano de Imperatriz, por ter revelado ao mundo, de forma organizada, séria, bem articulada, baseado em documentos autênticos e relatos idôneos, um segredo de estado guardado a sete chaves: a questão dos ÓVNIS e da presença alienígena entre nós.
Infelizmente, a "grande" mídia não divulgou tal evento, mas graças à internet, ele, ainda, pode ser visto por todos. Na verdade ao não divulgar tal evento a mídia acobertou-o, mais uma vez. Enquanto isso ficam passando em horário nobre as velhas e repetidas notícias de sempre, um disco arranhado onde as novidades são como as novelas, já nascem velhas, tal como Benjamin Button.Alguém duvida do impacto que seria em nossa civilização o contato aberto e cordial com outras civilizações alienígenas superiores a nossa em termos de tecnologia e convivência harmônica? De fato, isso é uma viagem, mais real do que se pode imaginar. As evidências acobertadas estão por toda a parte e a peneira não tapa mais o sol, tanto que circula pela internet a notícia de que eventualmente Obama faria um anúncio oficial sobre a existência de vida alienígena inteligente. Mas quem precisa do Obama para saber disso? Tal anúncio seria apenas a demonstração cabal de vida inteligente nos governos. E hoje nós sabemos que os governos do mundo são fachadas, meras marionetes de outros poderes.A Imperatriz é uma carta que fala de comunicação, portanto, fala de mídia sob todas as suas formas, desde internet até um simples folder. Os movimentos da mídia estarão em alta. Aquestão que surge para nós é: as informações veiculadas na mídia expressarão, de fato, a realidade ou serão uma manipulação? As duas coisas certamente ocorrerão e lidar com a Imperatriz é lidar com a comunicação e os “ruídos” que dela decorrem. Um exemplo clássico é o próprio evento do WTC que possui uma versão oficial, mas que é questionada por milhões de pessoas dentro e fora do EUA. Há muitas evidências de que o atentado terrorista foi um serviço interno, feito pelo próprio governo estadunidense, onde salta aos olhos a queda do anexo 7, que nem se quer foi atingido e caiu da mesma maneira que as Torres Gêmeas, como se tivesse sido implodido.Espero que não tenhamos outro atentado, mas as revelações que ocorrerão nesse ano que chega deverão incomodar, e muito, os poderes estabelecidos. Basta ver as tentativas de tentar censurar a internet, que tem ocorrido pelo mundo todo, por parte de certos representantes do poder, inclusive aqui no Brasil. E a Internet é uma outra expressão de mídia e, portanto, da Imperatriz.Imperatriz é mídia, mídia que vai desde aquela "amiga" que liga para contar a "última" até a criatividade capaz de produzir um projeto de arte altamente sofisticado ou uma canalização de ordem espiritual."

1 comentários:

Fernando Augusto disse...

Bom dia, Cláudia!

Como não vi a citação da fonte original do texto, ei-la:

http://pistasdocaminho.blogspot.com/2009/12/2010-ano-de-imperatriz.html

Sinto muito, me perdoa, eu te amo, sou grato!

F.A.